• Meu perfil

    angelanatel

    angelanatel

    Escritora, professora, tradutora, linguista e teóloga, há vinte anos envolvida no trabalho voluntário de produção de material e ensino tanto no Brasil quanto em Moçambique. Licenciada em Letras - Português-Inglês pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Bacharel em Teologia pela Faculdade Fidelis, Curitiba/PR. Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Associada à ABIB – Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica e participante da AHDig – Associação das Humanidades Digitais. Promove debates em blogs e reuniões informais além de ministrar aulas particulares de português, hebraico e inglês, cursos livres nas áreas de linguística, tradução, teologia e missiologia, e efetuar correções de textos em português. Mantém-se escrevendo, tanto em verso quanto em prosa, ligada ao teatro e à pintura, com o desejo de prosseguir em suas pesquisas (doutorado e aulas nas áreas de educação, teologia e letras) e trabalhos interculturais. Livros produzidos: http://pt.slideshare.net/eetown/teologia-em-poesia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/a-toca-da-tuca-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poemas-do-espelho-uma-autobiografia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poesia-o-amor-e-onde-ele-acontece-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/percepes-de-angela-natel Produção disponível em https://independent.academia.edu/AngelaNatel Banco do Brasil Agência 2823-1 C/C: 40006-8 Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7903250329441047 Livros produzidos: http://pt.slideshare.net/eetown/teologia-em-poesia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/a-toca-da-tuca-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poemas-do-espelho-uma-autobiografia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poesia-o-amor-e-onde-ele-acontece-de-angela-natel Editoria Online do Jornal: Direitos Humanos em Foco https://paper.li/f-1406058022 http://pt.slideshare.net/eetown/percepes-de-angela-natel Produção disponível em https://pucpr-br.academia.edu/AngelaNatel Outras redes: Twitter: @AngelNN http://www.pinterest.com/angelanatel/ http://www.skoob.com.br/usuario/902792 https://www.youtube.com/user/angelanatel http://vimeo.com/angelanatel007 http://www.linkedin.com/pub/angela-natel/65/296/58 http://www.babelcube.com/user/angela-natel Endereço para correspondência: Rua Francisco Derosso, 2560 - lojas 4 e 6 Caixa Postal 21016 - Xaxim - Curitiba - PR 81720-981 Banco do Brasil Agência 2823-1 C/C: 40006-8

    Visualizar Perfil Completo →

  • Follow Angela Natel on WordPress.com

A Idade Média do Brasil hoje

12063462_1070776762935538_3016934011402676836_n

Le Goff, em um texto muito significativo para o entendimento das possibilidades de interpretação sobre a Idade Média, expõe as visões de Michelet sobre o medievo. Esse capítulo exemplar do medievalista francês – quem, acho eu, morreu antes de sua morte natural – tem me sido relembrado por imagens como essa. Não é a primeira vez que a vejo, certamente não será a última, e a cada vez que leio seu enunciado tenho maior convicção do erro ao qual ela nos remete. Um duplo erro: enquanto péssimos conhecedores do passado, e piores ainda enquanto capazes de reconhecer os problemas de nossa contemporaneidade.
Primeira, a Idade Média. A mensagem carregada por esses pixels na tela de um computador apresenta uma medievalidade pautada exclusivamente em um âmbito religioso, dando a entender que o a Igreja – ali expressa pelo processo de condenação de uma bruxa, ou seja, a Inquisição – foi capaz de manter um domínio sobre as decisões políticas do espaço que hoje conhecemos como Europa. Ora, que engano! Mesmo em períodos em que teóricos religiosos dedicaram suas linhas a defesa da autoridade papal sobre os imperadores e reis, não é consenso entre os medievalistas que esse objetivo tenha sido atingido.
A imagem carrega ainda a ideia de um período de completa penúria e violência causada pelo discurso religioso. Outro engano. É importante lembrar que a presença de um pensamento religioso – mais que de uma autoridade religiosa – orientou práticas como a do cuidado com os leprosos, ou as inúmeras casas de cuidados orientadas aos que se encontravam em situação de risco, sejam quais fossem suas mazelas– caso das ações de D. Dinis e a rainha Sta. Isabel, em Portugal. É também no sentido de ampliar o entendimento acerca de conflitos religiosos que podemos lembrar o fato de a Corte de Alfonso X de Castela, a qual manteve o cuidado de abrigar judeus e muçulmanos em sua formação e mesmo as cidades possuíam bairros para as pessoas com essas orientações religiosas – apesar dos tributos pagos para que ali permanecessem.
Segundo, a contemporaneidade. Ao olhar para a Idade Média e pinçar o aspecto religioso como determinante e provocador de calamidades, a imagem não apenas provoca o desentendimento acerca da Idade Média, mas ainda induz aquele que a vê a atribuir apenas ao passado os conflitos que vivemos em nossa contemporaneidade. Ora, mais de quinhentos anos de passaram desde o fim daquele período histórico (marco didático), será que o pensamento medieval é responsável pelo que vivemos hoje? Ou seriamos nós, enquanto sociedade, que, passados os cinco séculos que os separam dos medievais, ainda não fomos capazes de avançar em um entendimento que nos habilite a viver mais como humanos, e menos em uma multiplicidade de binômios?
Em resumo, a imagem presta um duplo desserviço: deturpa o conhecimento sobre a Idade Média, e ainda nos isenta da responsabilidade que nós, contemporâneos, temos sobre a atual sociedade. Religiões e políticas passaram por profundas modificações desde o medievo, e qualquer comparação simplista apenas nos deixa mais distante de analisarmos e entendermos os nossos problemas, sejam religiosos, políticos ou o perigoso misto da bancada evangélica.

OBS: Medidas tomadas essa semana pelo Japão e Austrália de retirar o ensino de humanidades em detrimento de conhecimentos mais significativos para a sociedade – no entendimento do governo daqueles países – apenas ampliarão erros como o dessa imagem. Instrução sem reflexão não passa de automação de humanos.

* É preciso esclarecer que esse pequeno texto está longe de resolver os problemas e o debate que essa imagem suscita. Essas palavras não são apenas apontamento mais do que superficiais de um debate que exigiria muitas páginas mais.Carlos Eduardo Zlatic

Muito obrigada!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: