• Meu perfil

    angelanatel

    angelanatel

    Escritora, professora, tradutora, linguista e teóloga, há vinte anos envolvida no trabalho voluntário de produção de material e ensino tanto no Brasil quanto em Moçambique. Licenciada em Letras - Português-Inglês pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Bacharel em Teologia pela Faculdade Fidelis, Curitiba/PR. Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Associada à ABIB – Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica e participante da AHDig – Associação das Humanidades Digitais. Promove debates em blogs e reuniões informais além de ministrar aulas particulares de português, hebraico e inglês, cursos livres nas áreas de linguística, tradução, teologia e missiologia, e efetuar correções de textos em português. Mantém-se escrevendo, tanto em verso quanto em prosa, ligada ao teatro e à pintura, com o desejo de prosseguir em suas pesquisas (doutorado e aulas nas áreas de educação, teologia e letras) e trabalhos interculturais. Livros produzidos: http://pt.slideshare.net/eetown/teologia-em-poesia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/a-toca-da-tuca-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poemas-do-espelho-uma-autobiografia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poesia-o-amor-e-onde-ele-acontece-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/percepes-de-angela-natel Produção disponível em https://independent.academia.edu/AngelaNatel Banco do Brasil Agência 2823-1 C/C: 40006-8 Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7903250329441047 Livros produzidos: http://pt.slideshare.net/eetown/teologia-em-poesia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/a-toca-da-tuca-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poemas-do-espelho-uma-autobiografia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poesia-o-amor-e-onde-ele-acontece-de-angela-natel Editoria Online do Jornal: Direitos Humanos em Foco https://paper.li/f-1406058022 http://pt.slideshare.net/eetown/percepes-de-angela-natel Produção disponível em https://pucpr-br.academia.edu/AngelaNatel Outras redes: Twitter: @AngelNN http://www.pinterest.com/angelanatel/ http://www.skoob.com.br/usuario/902792 https://www.youtube.com/user/angelanatel http://vimeo.com/angelanatel007 http://www.linkedin.com/pub/angela-natel/65/296/58 http://www.babelcube.com/user/angela-natel Endereço para correspondência: Rua Francisco Derosso, 2560 - lojas 4 e 6 Caixa Postal 21016 - Xaxim - Curitiba - PR 81720-981 Banco do Brasil Agência 2823-1 C/C: 40006-8

    Visualizar Perfil Completo →

  • Follow Angela Natel on WordPress.com

Batman X Superman – o drama da mãe em comum

size_810_16_9_batman-vs-superman-o-alvorecer-da-justica

 

E lá vamos nós assistir ao filme que tem dado o que falar há muito tempo. Spoilers à parte, a crítica já tinha previsto um desastre de bilheteria, e os quadrinhos prepararam para o que iríamos ver.

Acabei me apaixonando pelo vilão – como de costume – muito bem delineado, com diálogos brilhantes e muito Nietzsche por detrás.

Mas a polarização de forças chamou a atenção de qualquer maneira, mostrando uma manipulação ferrenha que bem poderia ser chamada de República Federativa do Brasil.

Sim, eu vou falar de política, bem como de teologia. O Filme Batman X Superman é um retrato bem colocado de nossa situação. No fim das contas há os que torcem para o de vermelho e os demais, porém tudo muito bem arquitetado por alguém por debaixo dos panos (que não aparenta torcer para ninguém além dele mesmo).

E o que me assusta mais, nessa situação, é o ódio ferrenho que observo nos ataques verbais aparentemente justificados. Até parece que a teologia tem se reduzido a uma posição política, uma vez que quem decide se posicionar como lhe é de direito, mas não concorda com boa parte do grupo, é automaticamente lançado na fogueira da inquisição hipócrita que assola os que se esquecem que nossa salvação não se relaciona de forma alguma com o posicionamento político que assumimos. Não, não se relaciona. Aliás, se fôssemos realmente analisar, a anarquia é a forma que mais se adequaria aos interesses do Reino de Deus – diga-se de passagem.

Mas por aí vai: uns gritam para matar o de vermelho, outros querem uma solução sobrenatural (como se Deus vestisse a camisa de algum partido ou juiz humano), outros ainda só querem ver o circo pegar fogo – ops, não tem Coringa nessa história.

E, de repente, o inesperado acontece: o nome da mãe do Batman é Martha – assim como o nome da mãe (adotiva) do Superman!

Sim, esse foi o turning point da história: temos, afinal, a mesma mãe!

E, simples assim, a história muda de rumo, de foco, de intensidade até. Aliás, foi só depois disso que a Mulher Maravilha decide ajudar – ah, a esperteza das mulheres!

Então, penso que parte da solução para nossos óculos turvos da hipocrisia, da desumanidade em nossos argumentos e da falta de senso ao não permitir a livre expressão do outro encontra-se na conscientização de que temos, afinal, os mesmos progenitores – somos todos filhos de Eva – a nossa Martha –  e por isso nosso inimigo é comum.

Não nos cabe, portanto, jogar a primeira pedra, como se fôssemos os reis da cocada preta.

Não nos cabe argumentar com o outro sem levarmos em conta que nossa posição diante de Deus é a mesma, e que nenhum posicionamento político é capaz de melhorar nossa condição de pecadores.

Não nos cabe reduzir o bem ou o mal a uma cor – não, o diabo não veste vermelho – nem um acerto definir uma única pessoa como salvadora da pátria.

Ao lembrarmos de nossa mãe Eva em comum, nos conscientizemos de que o mundo não é polarizado em duas vertentes, mas que todos estamos sujeitos a uma manipulação que nos carregaria ao precipício da destruição mútua.

Só espero que o arrependimento e a mudança de conduta para com quem pensa diferente não aconteça num ponto em que estragos maiores já tenham sido feitos. Nesse caso, toda uma vida de bom testemunho pode ser jogada fora quando o discurso político se torna mais importante que os valores do Reino de Deus – e digo isso no sentido de evitarmos condenar alguém por causa de sua posição política – ou apenas condenar, já que esta não é uma tarefa que nos cabe.

Todos possuem o direito à livre expressão de pensamento, e o direito de não ser condenado por isso. Negar esse direito é desumanizar o outro, endeusar-se a si mesmo e colocar-se acima da lei.

Temos a mesma mãe, olhemos para o inimigo comum: o que poda nosso direito de compartilhar o solo de nossa pátria com liberdade.

Ofensas e discurso de ódio e condenação apenas revelam nosso ímpeto em atirar a primeira pedra, sem levarmos em conta o Único que tem o direito de fazê-lo: Cristo.

 

Angela Natel – 05/04/2016

Muito obrigada!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: