• Meu perfil

    angelanatel

    angelanatel

    Escritora, professora, tradutora, linguista e teóloga, há vinte anos envolvida no trabalho voluntário de produção de material e ensino tanto no Brasil quanto em Moçambique. Licenciada em Letras - Português-Inglês pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Bacharel em Teologia pela Faculdade Fidelis, Curitiba/PR. Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Associada à ABIB – Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica e participante da AHDig – Associação das Humanidades Digitais. Promove debates em blogs e reuniões informais além de ministrar aulas particulares de português, hebraico e inglês, cursos livres nas áreas de linguística, tradução, teologia e missiologia, e efetuar correções de textos em português. Mantém-se escrevendo, tanto em verso quanto em prosa, ligada ao teatro e à pintura, com o desejo de prosseguir em suas pesquisas (doutorado e aulas nas áreas de educação, teologia e letras) e trabalhos interculturais. Livros produzidos: http://pt.slideshare.net/eetown/teologia-em-poesia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/a-toca-da-tuca-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poemas-do-espelho-uma-autobiografia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poesia-o-amor-e-onde-ele-acontece-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/percepes-de-angela-natel Produção disponível em https://independent.academia.edu/AngelaNatel Banco do Brasil Agência 2823-1 C/C: 40006-8 Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7903250329441047 Livros produzidos: http://pt.slideshare.net/eetown/teologia-em-poesia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/a-toca-da-tuca-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poemas-do-espelho-uma-autobiografia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poesia-o-amor-e-onde-ele-acontece-de-angela-natel Editoria Online do Jornal: Direitos Humanos em Foco https://paper.li/f-1406058022 http://pt.slideshare.net/eetown/percepes-de-angela-natel Produção disponível em https://pucpr-br.academia.edu/AngelaNatel Outras redes: Twitter: @AngelNN http://www.pinterest.com/angelanatel/ http://www.skoob.com.br/usuario/902792 https://www.youtube.com/user/angelanatel http://vimeo.com/angelanatel007 http://www.linkedin.com/pub/angela-natel/65/296/58 http://www.babelcube.com/user/angela-natel Endereço para correspondência: Rua Francisco Derosso, 2560 - lojas 4 e 6 Caixa Postal 21016 - Xaxim - Curitiba - PR 81720-981 Banco do Brasil Agência 2823-1 C/C: 40006-8

    Visualizar Perfil Completo →

  • Follow Angela Natel on WordPress.com

Missionário não serve

Missionário não serve para fazer em seu lugar
tudo o que há na missão para fazer
muito menos
o que você não quer realizar.
 
Missionário não serve
para ser lembrado somente em eventos
relacionados à missão.
Missionário é gente
ainda que às vezes pareça que não.
 
Missionário não serve para tapar buraco
quando alguém não comparece.
Também não serve para dizer que na igreja
a missão acontece.
 
Missionário não serve de ‘garoto propaganda’
de igreja, evento, instituição.
Missionário não serve de objeto
de decoração.
 
Missionário não serve de voz de Deus
em qualquer situação,
ele também erra, também precisa
de repreensão.
 
Missionário não serve prá ser ignorado
quando emite opinião
– ninguém, neste caso, serve,
é preciso respeito, consideração.
 
Missionário não serve
prá determinar a teologia
do outro, de quem quer que seja.
Missionário não serve prá ser guia.
 
Missionário não serve para ostentar título,
controlar vidas, nem usar o nome de Deus
a fim de influenciar outros a realizar sua vontade.
Missionário não serve para exigir
nem para ser exigido.
 
Missionário não serve para mendigar sustento
nem tentar convencer outros
a respeito da missão de Deus.
Missionário não serve de Espírito Santo
na vida de ninguém.
 
Missionário não serve para trabalhar
24h/dia, nem 7 dias/semana.
Missionário não serve sem descanso,
sem lazer, sem diversão.
 
Missionário não serve sozinho,
sem amigos, companheiros de trabalho,
sem família, sem irmãos.
 
Missionário não serve para ser esquecido
ou somente lembrado quando convém.
Missionário, porque está longe,
não serve para ser ignorado.
 
Missionário não serve sem saúde,
sem cuidados, alimentação.
Às vezes não serve sem um exercício,
nem sem medicação.
 
Missionário não serve para só receber sustento
se for constante e fiel num relatório,
se fizer-se lembrado.
Missionário não serve, afinal, para ser controlado.
 
Missionário não serve sem consciência própria,
sem relacionamento com Deus.
Missionário não serve sem disposição para o sofrimento,
sem abrir mão da companhia dos seus.
 
Missionário não serve se não puder ter opinião
se não puder ser fiel à sua consciência
diante de Deus e do que acredita.
Missionário não serve somente para prestigiar seus eventos
nem falar somente em ambientes relativos à missão.
 
Missionário não serve somente como lhe agrada
nem somente de forma a agradar outros.
Missionário, por vezes, não serve por conta
mesmo assim agrada a poucos.
 
Missionário, enfim, não serve pisando em ovos
preocupado com o que outros vão pensar, dizer.
Missionário não serve à ansiedade alheia
Vive pela fé, não pelo que vê.
 
Missionário não serve em missão própria,
pessoal, não serve em lugar do outro.
Missionário serve a Deus,
não a você.
 
Angela Natel – 20/06/2017

Espelho

 
Pelo caminho encontro
os que pregam amor e não amam,
os que desejam liberdade oprimindo outros,
os que se dizem servos, amantes do poder,
os que ganham o mundo mas perdem a própria alma.
 
Vendilhões do Templo,
vendidos em sua própria consciência,
supervalorizam o externo, a aparência
em detrimento do princípio, do coração.
 
Os que se colocam como deuses do alheio,
mandando sobre o que não lhes pertence,
não abertos a negociação.
 
Enxergam no outro o que apodrece sua alma,
delimitam o tamanho e os limites de Deus.
Reconhecem o divino somente no espelho de si mesmos,
os que se vêem detentores da última palavra.
 
Sim, encontro os que se recusam a perder
principalmente numa discussão,
que não se calam, não se aquietam,
até provarem seu ponto, sua razão.
 
Encontro também os sem voz,
que, no afã de serem ouvidos, agridem, machucam,
e de oprimidos passam a oprimir.
São muitos ternos e máscaras,
fachadas que cobrem a podridão de caráter.
 
Algumas vezes me encontro com um desses
e, depois de horas analisando a figura
percebo o detalhe, a luz refletida no espelho
bem diante de meu nariz.
 
Por isso, frequentemente me calo,
distinguindo em mim o que tanto condeno.
Por isso é melhor aquietar-se.
E se permitir assumir o erro, calar a condenação,
assumindo que não sou Deus, não sou ninguém.
 
Angela Natel – 18/06/2017.

Incomparável

Dor não se compara
comparação mata
morrer de dor
morrer de amor
morte,
incomparável dor.
 
Sofrimento alheio
não ameniza minha dor
não a torna melhor ou pior
ninguém sofre comigo
ninguém vive minha dor
só comparam com outras dores.
 
Vingança não é justiça
uma dor não ameniza a outra
um mal não cobre outro
ninguém paga por ninguém
nada se justifica a si mesmo.
 
Dor incomparável
dor sem igual
porque é minha,
só eu sei como ela é
porque está em minha pele
em meu interior.
 
Sofrimento do outro não me dói
por isso amenizo
ignoro, sou omisso
comparo com o que considero pior
não choro junto
não sou compassivo
porque não sinto sua dor.
 
assim me justifico
no injustificável
não calço outras sandálias
que não sejam minhas
que não me identificam.
 
Dor incomparável
daquele que sentiu a dor do outro
e se esvaziou de si mesmo
não comparou, sentiu
a dor de ser o outro
e assim justificou a todos.
 
Angela Natel – 13/06/2017

Motivo de escândalo

18699758_1519603321405329_2650858202857847181_n
A roupa
A maquiagem
O trejeito
O palavrão.

Motivos de sobra
Para comentário
E pedidos de satisfação.

Mas o que me é motivo de escândalo
Não é nada disso, não.
Mas sim crente que se põe no lugar de Deus
Que distribui condenação.

Me escandalizo com fofoca e maledicência
Com gente duas caras, que não me conhece
E se acha no direito de exigir algo de mim.

Me escandalizo por usarem textos bíblicos
Com o fim de controlar comportamento alheio
Com tradutor que não sabe interpretar texto na própria língua.
Com consultor que manipula o texto em sua própria teologia.
Sim, é motivo de escândalo quem prega o amor
Mas vive distribuindo coice no dia-a-dia,
Quem julga por um palavrão mas não percebe o desserviço que faz, porque se atém na exterioridade, sem buscar o coração.

Sim, estou escandalizada
Por quem me lê somente através das redes sociais
E que somente por isso se acha capaz de distinguir o bem do mal que há em mim.

Se o texto bíblico dissesse o que muitos dizem por aí, então todos estes que me escandalizaram condenados estão.

Acima de uma instituição, olho para Cristo
Que não julga como os demais
Não põe etiqueta de acordo com o comportamento
Mas estende a todos Sua misericordiosa mão.

Angela Natel

A gente vai aprendendo, na vida, que se aprende melhor com o sofrimento.

18740725_1447802385280149_8843500664349992066_n

O problema é que isto é uma outra tristeza: Ter que doer na gente pra sentir.

Vantagem é perceber com dores já vividas, o que já foi experienciado, outro caminho a tomar, para não repetir, aquilo que gera dores e muitas tristezas. Mas o ser humano, ah, nós, seres humanos… a gente tem dificuldade.

O despertar de nossa consciência se dá num processo lento e é preciso exercitar, todos os dias, para que ela não se atrofie.

Olhando em volta, nos nossos dias, os maiores males causados pelos humanos à sua própria espécie, são emulados por muitos sentimentos comuns à qualquer um de nós, mas atormentadores em muitos de nós que se deixam levar por eles e não praticam o exercício da consciência, sem o qual eles facilmente nos vencem: ambições, poder, egoísmo, ódio, vaidade, inveja, racismo…

É preciso lutar contra essas coisas naturais de nós, em nós, o tempo todo. É isso que significa, segundo Paulo, o apóstolo, “matar a carne”. Não se faz isso com a “carne do próximo” – como muitos querem. É o exercício interior, pessoal, cada um na sua – cada um enfrentando seus próprios demônios, matando o egoísmo em você, o preconceito… e com isso, gerando “metanóia”, nova consciência…

Os maiores males dos nossos dias são causados por muitos sentimentos comuns à qualquer um de nós, mas a desculpa, na maioria das vezes, sempre tem sido a mesma. Desde os primórdios: a gente culpa a divindade ou diz que é em nome dela que agimos, cumprindo a sua vontade…

A história relata. Deveríamos aprender com ela.

Um dos primeiros relatos sobre isso é de Adão: Fez uma burrada se enveredando pelo caminho da ambição e atribuiu a culpa à sua mulher, Eva e a Deus, com estas palavras: “A mulher que me deste por companheira, ela me deu da árvore, e comi.” (Gn 3:12). A “mulher” que “me deste”. Em outras palavras: Olha só, Deus, a culpa é de vocês! Ela me incentivou. E o Senhor que me deu essa mulher aí, ó!

Nos nossos dias, basta ler os jornais, perceberemos a mesma desculpa para muita coisa feia. Quando o cara se explode num estádio cheio de crianças em Manchester, outro cara assume a autoria dizendo que estão cumprindo a vontade de Deus. Quando o cara recruta crianças no Sudão do Sul e sob tortura, as obriga a lutar em sua milícia, chamada de “Exército de Resistência do Senhor”, ele diz que está cumprindo a vontade de Deus. Quando o cara quebra uma lâmpada no rosto de um rapaz que ele percebeu afeminado, diz que fez em nome de Deus. Quando se organiza um esquema político horroroso e cheio de tramóias e corrupções, diz-se que o enriquecimento ilícito é chamado de prosperidade e se dá por cumprir a vontade de Deus. “A vontade de Deus” virou a bandeira da loucura em quase tudo!

Eu, que vi criancinhas todas espetadas com pregos e pernas queimadas, semimortas, ao serem acusadas de bruxas, por líderes religiosos que dizem “cumprir a vontade de Deus”, tive que ter uma conversa séria com a minha consciência. Porque o “deus dessas vontades” todas parece-me muito distante do que eu percebo nas leituras do Evangelho, a não ser que eu seja o louco desta história. Então parem de ler aqui e me internem, por favor!

Aos teólogos dos nossos dias e todo aquele que se deixa tocar pela Verdade, urge o posicionamento contra o fundamentalismo religioso que mata, separa, divide, machuca, tortura, sequestra, engana, distorce e mancha a história.

Frank Schaeffer, filho do conhecido filósofo cristão Francis Schaeffer e que se mostra diferente do pai no que tange ao conservadorismo político pelo qual se embrenhou o pai no fim da vida, disse: Em uma era de Trump/Pence/Putin/ISIS, é tempo de dizer uma pesada verdade: Todas as religiões fundamentalistas são inimigas da paz (http://frankschaefferblog.com/2017/05/trump-pence-putin-isis-terror-era-time-tell-hard-truth-fundamentalist-religion-enemy-peace-period/)

E não basta o textão no Facebook ou o artigo na revista legal ou Blog bacana. É preciso mais! É preciso ações de “conscientização”. A pauta deve ser o Amor. Aliás, nunca deveria ter sido qualquer outra!

Gito Wendel

Fonte: https://www.facebook.com/gitowendel/photos/a.870515746342152.1073741829.869920206401706/1447802385280149/?type=3&theater

Dor seletiva

18671311_1571806169497339_3032087733325556337_n

Quão indignado fico

Pelos vidros quebrados

Documentos queimados

Fumaça e pedras por todo lado.

 

Me entristeço pela cor vermelha

Nas camisas, nas bandeiras

e tanto tumulto nas ruas

só podem ser vândalos nessa depredação.

 

O que menos importa nesse momento

São os prédios derrubados com gente dentro

E as pessoas sem direito de sustento.

Muito menos quem perdeu uma mão.

 

Não, não importa a violência sistemática

Os genocídios indígenas

As terras roubadas

Nem meninas estupradas.

Não importa, não.

 

Mesmo que votem as reformas

São as próximas gerações que sofrerão

Eu me vejo seguro nesse momento

Apenas incomodado com o barulho.

 

Não quero ouvir opiniões contrárias

Vou esfregar na cara minha formação e experiência

Porque a quebra das leis, de fato, não é o que interessa

O Estado Democrático de Direito deve servir só a mim.

 

Não importa a coerência de meus atos

Nem se o Deus a quem digo servir não pensa assim

Eu vou dizer ‘bem feito’ a todo o que for retaliado

E vou espalhar divisão e ódio ao redor de mim.

 

Pois somente o que é injustificável

são os atos de quem não simpatizo

a corrupção, o extermínio e a generalização

sistematizados

não vem ao caso, não valorizo.

 

Prefiro manipular grupos segundo meus interesses

E dizer que isso é vontade de Deus

Generalizar as coisas, achando-me infalível

Não promover o diálogo, não ver os limites meus.

 

Se estão desrespeitando cidadãos

Se as leis estão quebradas

Se reformas são injustas

Não interessa

 

Devo pregar resignação

E que as pessoas aprendam a sofrer caladas

E a aceitar o fatalismo e o determinismo

De minha seletiva indignação.

 

Angela Natel – 25/05/2017

Coerência é que nos falta

IMG_20170401_164758919

Quando decidimos ajudar do nosso jeito

E nos recusamos a continuar ajudando,

se for necessário mudarmos

Quando demonstramos preocupação

que encobre nossa necessidade de controle.

 

Coerência é o que nos falta

Ao pregarmos a queda dos muros

E o fim dos partidarismos

Enquanto mantemos nossos ataques

ao lado que nos desagrada.

 

Coerência é o que nos falta

Quando nos chamamos reformados

Defendendo princípios combatidos na Reforma.

 

Ah, coerência, onde estás?

Quando se usa o espaço das igrejas

Na tentativa de manipular o pensamento juvenil,

Quando o que defendemos não é Evangelho.

 

Coerência é o que nos falta

Quando nosso ego é machucado

Por causa da forma como agimos

E não somos capazes de passar

por cima desse orgulho maldito

A fim de nos preocupar de fato com o outro.

 

Coerência é o que nos falta

Porque tratamos autoridade humana e civil feito deuses

E nos dobramos diante do poder

Numa hermenêutica equivocada.

 

Coerência é o que nos falta

Porque defendemos dogmas

e não seguimos ninguém

Porque nos apossamos da missão

E nos tornamos deuses de nós mesmos.

 

Ah, coerência, onde estás?

Quando promovemos encontros e mais programas

Para repetir um discurso

que custamos a colocar em prática.

 

E defendemos rituais

E nos desdobramos em acusações

Sobre os que não mantém os mesmos costumes

E tradições

E culpamos a modernidade, os tempos, as eras,

As tecnologias

Pelos erros que escondemos sob nossa religiosidade.

 

A capa de santidade está dobrada

Deixando à mostra nossa vergonha,

Nossa deslealdade.

 

Coerência é o que nos falta

Quando promovemos mudanças

Sob as quais não nos rebaixamos

E falamos em nome de todos

Como se conhecêssemos as vontades

E falamos em nome de Deus

Como se fôssemos espelho.

 

Coerência é o que falta

Quando o poder nos corrompe

Quando escondemos os medos

Quando construímos muros

Em vez de pontes.

 

Angela Natel – 20/05/2017

%d blogueiros gostam disto: