• Meu perfil

    angelanatel

    angelanatel

    Escritora, professora, tradutora, linguista e teóloga, há vinte anos envolvida no trabalho voluntário de produção de material e ensino tanto no Brasil quanto em Moçambique. Licenciada em Letras - Português-Inglês pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Bacharel em Teologia pela Faculdade Fidelis, Curitiba/PR. Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC/PR. Associada à ABIB – Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica e participante da AHDig – Associação das Humanidades Digitais. Promove debates em blogs e reuniões informais além de ministrar aulas particulares de português, hebraico e inglês, cursos livres nas áreas de linguística, tradução, teologia e missiologia, e efetuar correções de textos em português. Mantém-se escrevendo, tanto em verso quanto em prosa, ligada ao teatro e à pintura, com o desejo de prosseguir em suas pesquisas (doutorado e aulas nas áreas de educação, teologia e letras) e trabalhos interculturais. Livros produzidos: http://pt.slideshare.net/eetown/teologia-em-poesia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/a-toca-da-tuca-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poemas-do-espelho-uma-autobiografia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poesia-o-amor-e-onde-ele-acontece-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/percepes-de-angela-natel Produção disponível em https://independent.academia.edu/AngelaNatel Banco do Brasil Agência 2823-1 C/C: 40006-8 Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7903250329441047 Livros produzidos: http://pt.slideshare.net/eetown/teologia-em-poesia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/a-toca-da-tuca-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poemas-do-espelho-uma-autobiografia-de-angela-natel http://pt.slideshare.net/eetown/poesia-o-amor-e-onde-ele-acontece-de-angela-natel Editoria Online do Jornal: Direitos Humanos em Foco https://paper.li/f-1406058022 http://pt.slideshare.net/eetown/percepes-de-angela-natel Produção disponível em https://pucpr-br.academia.edu/AngelaNatel Outras redes: Twitter: @AngelNN http://www.pinterest.com/angelanatel/ http://www.skoob.com.br/usuario/902792 https://www.youtube.com/user/angelanatel http://vimeo.com/angelanatel007 http://www.linkedin.com/pub/angela-natel/65/296/58 http://www.babelcube.com/user/angela-natel Endereço para correspondência: Rua Francisco Derosso, 2560 - lojas 4 e 6 Caixa Postal 21016 - Xaxim - Curitiba - PR 81720-981 Banco do Brasil Agência 2823-1 C/C: 40006-8

    Visualizar Perfil Completo →

  • Follow Angela Natel on WordPress.com

Carta aos amigos

DSC02603

Estimados amigos:

Há vários anos tive a oportunidade de fazer o Curso de Linguística e Missiologia (CLM) da Missão ALEM – Associação Linguística Evangélica Missionária, cujos projetos concentram-se nas áreas de Tradução da Bíblia e Educação Bilíngue e Intercultural. Nos últimos anos tenho voltado a servir junto ao ministério da ALEM, especialmente como professora voluntária do CLM em diversas disciplinas.

Reconheço sua presença em minha vida e trabalho, apesar das distâncias geográficas, e seu apoio com tanto carinho para com minha vida. Por tudo isso, quero expressar minha gratidão e compartilhar os últimos desafios ministeriais que me foram feitos.

No mês de julho, fui convidada pela Direção de Cursos da ALEM para ser a nova coordenadora do CLM, a partir de 2016. Pela graça e para a glória de Deus aceitei o desafio e tenho passado por um tempo de transição e preparo, já no trabalho para o próximo ano. Reconhecendo que nada pode ser feito sem apoio, tanto financeiro como em oração, gostaria de te convidar a se envolver neste serviço para o treinamento de tradutores e educadores interculturais. Embora o trabalho desenvolvido seja na base da ALEM, na cidade de Brasília, é um ministério missionário de alcance transcultural e mundial, pois, nossos alunos, posteriormente ao curso, são enviados por suas comunidades eclesiásticas a diferentes povos em diversos países do mundo. Hoje, por meio dos nossos alunos, atuamos em todos os continentes.

Os desafios financeiros existem, tanto para minha manutenção pessoal básica quanto na continuidade do tratamento médico de que necessito: R$ 2.000,00 mensais (aluguel, alimentação, higiene pessoal e medicamentos) a partir de novembro de 2015 (quando preciso mudar-me para a base em Brasília). A ideia é que amigos e colaboradores que desejem fazer parte desse ministério assumam o compromisso no valor de sua escolha para depositar com alegria mensalmente na conta abaixo:

Banco do Brasil

Agência 2823-1

C/C: 40006-8

Dessa forma podemos alcançar um sustento mensal mínimo a fim de que o trabalho possa ser realizado no campo que o Senhor Jesus tem escolhido para que eu O sirva neste momento: a base de treinamento de missionários da ALEM. É com muita alegria que me dirijo a você para expressar gratidão pelo seu apoio para com minha vida e trabalho. Assim Deus vai escrevendo Sua História através de nossas vidas como equipe. A Ele toda a glória, no nosso meio e entre todos os povos.

Pela graça e para a glória de Jesus Cristo

Angela Natel

eetown@gmail.com

 

http://www.missaoalem.org.br/

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7903250329441047

angelanatel.wordpress.com

https://www.facebook.com/pages/Angela-Natel/137128436426391

http://www.linkedin.com/pub/angela-natel/65/296/58

Produções:

https://independent.academia.edu/AngelaNatel

https://notegraphy.com/eetown7777

http://pensador.uol.com.br/colecao/angelanatel/

Blogs:

lioness-tocadaleoa.blogspot.com

guardiadaverdade.blogspot.com

tatuadonocoracao.blogspot.com

olhosdeleoa.blogspot.com

Editoria Online do Jornal: Direitos Humanos em Foco

https://paper.li/f-1406058022

Outras redes:

Twitter: @AngelNN

http://www.pinterest.com/angelanatel/

http://www.skoob.com.br/usuario/902792

https://www.youtube.com/user/angelanatel

http://vimeo.com/angelanatel007

F. W. Nietzsche, Dionísio e Cristo — por Gilles Deleuze

11855786_479568975543071_4495733390855903294_n

Em Dionísio e em Cristo o martírio é o mesmo, a paixão é a mesma. É o mesmo fenômeno, mas são dois sentidos opostos. Por um lado, a vida que justifica o sofrimento, que afirma o sofrimento; por outro, o sofrimento que acusa a vida, que testemunha contra ela, que faz da vida alguma coisa que deve ser justificada. Haver sofrido na vida significa primeiramente, para o cristianismo, que ela não é justa, que ela é essencialmente injusta, que paga com sofrimento uma injustiça essencial: ela é culpada, visto que sofre. Em seguida, significa que ela deve ser justificada, isto é, que ela deve ser redimida de sua injustiça ou salva, salva por este mesmo sofrimento que há pouco a acusava: ela deve sofrer visto que é culpada. Estes dois aspectos do cristianismo formam o que Nietzsche chama “a má consciência” ou “interiorização da dor”. Eles definem o niilismo propriamente cristão, ou seja, a maneira pela qual o cristianismo nega a vida: por um lado a máquina de fabricar culpa, a horrível equação dor-castigo; por outro lado, a máquina que multiplica a dor, a justificação pela dor, a máquina imunda. Mesmo quando o cristianismo canta o amor e a vida, que imprecações neste canto, que ódio neste amor! Ele ama a vida como a ave de rapina ama o cordeiro: tenra, mutilada, moribunda. O dialético coloca o amor cristão como uma antítese, por exemplo, como uma antítese do amor judaico. Estabelecer “antíteses” em toda parte onde há avaliações mais delicadas a serem feitas, “coordenações” a serem interpretadas, é o oficio e a missão do dialético. A flor é a antítese da folha, ela “refuta” a folha, eis aí uma descoberta célebre cara à dialética. É deste modo também que a flor do amor cristão “refuta” o ódio, isto é, de um modo inteiramente fictício. Que não se imagine que o amor se desenvolveu, como antítese do ódio judaico. Não; exatamente o contrário. O amor saiu deste ódio, expandiu-se como sua coroa, uma coroa triunfante que se alegre sob os quentes raios de tini sol de pureza, mas que, nesse domínio novo sob esse reino da luz e do sublime, persegue sempre interiorizada e, por este meio, oferecida a Deus, colocada em Deus. “Este paradoxo de um Deus crucificado, este mistério de uma inimaginável e última crueldade”, é a mania propriamente cristã, mania já totalmente dialética.

Quão estranho se tornou este aspecto ao verdadeiro Dionísio! O Dionísio de “A Origem da Tragédia” ainda “resolvia” a dor; a alegria que ele experimentava ainda era uma alegria de resolvê-la e também de leva-la à unidade primitiva. Mas agora Dionísio capitou precisamente o sentido e o valor de suas próprias metamorfoses: ele é o deus para quem a vida não é para ser justificada, para quem a vida é essencialmente justa. Mais do que isso, é ela quem se carrega, “ela afirma até mesmo o mais áspero sofrimento”. Compreendamos: ela não resolve a dor interiorizando-a, afirmando-a no elemento de sua exterioridade. E, a partir daí, a oposição entre Dionísio e Cristo se desenvolve ponto por ponto, como a afirmação da vida (sua extrema apreciação) e a negação da vida (sua depreciação extrema). A “mania” dionisíaca à mania cristã; a embriaguez dionisíaca, à uma embriaguez cristã; a laceração dionisíaca, à crucificação cristã; a ressurreição dionisíaca, a ressurreição cristã; a transvaloração dionisíaca, à transubstanciação cristã. Pois há duas espécies de sofrimentos e de sofredores. “Aqueles que sofrem de superabundância de vida” fazem do sofrimento uma afirmação, assim como fazem da embriaguez uma atividade; na laceração de Dionísio eles reconhecem a forma extrema da afirmação, sem possibilidade de subtração, de exceção nem escolha. “Aqueles que sofrem, ao contrário, de empobrecimento de vida” fazem da embriaguez uma convulsão ou torpor; fazem do sofrimento um meio de acusar a vida, de contradize-la e também um meio de justificar a vida, de resolver a contradição. Na verdade, tudo isso entra na ideia de um salvador; não há salvador mais belo que aquele que é ao mesmo tempo carrasco, vítima e consolador, a santa Trindade — o sonho prodigioso da má consciência. Do ponto de vista de um salvador, “a vida deve ser o caminho que leva à santidade”; do ponto de vista do Dionísio, a existência parece bastante santa por si mesma para justificar ainda uma imensidão de sofrimento. A laceração dionisíaca é o símbolo máximo da afirmação múltipla; a cruz de Cristo, o sinal da cruz, são a imagem da contradição de da sua resolução, a vida submetida ao trabalho do negativo. Contradição resolvida, resolução da contradição, reconciliação dos contraditórios: todas essas noções se tornaram estranhas a Nietzsche. É Zaratustra que grita: “Alguma coisa mais elevada do que a reconciliação” — a afirmação. Alguma coisa mais elevada do que toda contradição desenvolvida, resolvida, suprimida — a transvaloração. Este é o ponto em comum de Zaratustra e Dionísio: “Eu coloco em todos os abismos minha afirmação que abençoa” (Zaratustra)… mas isto, ainda uma vez, é a própria ideia de Dionísio”. A oposição entre Dionísio ou Zaratustra e o Cristo não é a dialética e sim a oposição à própria dialética: a afirmação diferencial contra a negação dialética, contra todo niilismo e contra esta forma particular do niilismo.

— Gilles Deleuze, in “Nietzsche e a Filosofia” – capítulo 01, texto “Dionísio e Cristo”, página 10

Fonte: https://www.facebook.com/479564978876804/photos/a.479569158876386.1073741828.479564978876804/479568975543071/?type=1&theater

As injustiças da vida e os dois sentidos do sofrimento… catártico! – Angela Natel

There is only one queen! Happy Birthday, Madonna!!! ‪#‎HappyBirthdayMadonna‬ ‪#Madonna​

16107_466129363567725_1454366323577312132_n

Feliz dia do Estudante!

DSC02376

Cão que late…

pois é, não morde.

É muita gente publicando suas contas em dia

Enquanto chega atrasado em compromisso.

Muita gente buscando quem lhe sorria

Mas deixando de estender o braço amigo.

Muita gente fazendo doutorado

e ignorando o próximo (ô, gente ignorante!).

É muito orientador desorientado

Mais interesseiro do que interessante.

Muita gente arrotando uma lagosta,

Enquanto se entope de sardinha.

É muito e imagem tosca

Prá quem se acha top de linha.

É muito show prá quem logo esmorece,

Muita propaganda de papel higiênico.

É muito cobertor que não aquece,

Muita doçura para um gole de arsênico.

É muito elogio prá depois vir jogar pedra.

Muita criatividade lançada pela janela.

É muito encanto que facilmente quebra

É muita escuridão prá tão pouca vela.

É muito abuso querendo consertar os outros

Da parte de quem nunca se conserta.

É muita gente querendo receber os louros

do trabalho de pouca gente alerta.

É muito rótulo prá pouco produto,

Muito barulho por nada.

É muito acessório num único adulto,

muito carro prá pouca vaga.

É muita expectativa em cima mim,

prá pouca cooperação alheia.

É muito pé descalço por aí

prá tão pouca meia.

O que estou dizendo pode parecer absurdo,

Mas vai ver só, esse é o mundo:

Cão que late, esnoba, coloca na vitrine

Não morde, não fede e nem cheira,

Não há quem o ensine.

Angela Natel – 31/07/2015

Hoje é Dia do Escritor

DSC01541

Falsos amigos fazem mal à saúde

Falsos amigos fazem mal a saúde

Porque gostam de serem chamados assim

Mas negociam seu apoio

Exigem concordância,

Não admitem concorrência.

Falsos amigos curtem algumas postagens

Mas comentam o mal à distância

Com terceiros, quartos e quintos.

Não buscam resolver um problema

Apenas provar sua razão.

Falsos amigos lhe dão um lugar ao sol

Para lhe manter no controle

Sob suas vistas,

Mas não lhe dão acesso aos ‘intocáveis’

(aqueles que realmente fazem a coisa acontecer).

Falsos amigos te usam para solucionar a vida,

E os desafios que lhes aparecem.

Mas te descartam com a mesma facilidade.

Também são aqueles que só desejam

desfrutar de sua companhia

caso você pertença ao seu grupo,

ou frequente seus lugares habituais.

Mude de hábitos e você os perderá de vista.

Sim, são muitos os falsos amigos

Porque verdadeira amizade dá trabalho,

Exige sacrifício, tempo, dedicação,

Além de renúncia,

E muita compreensão.

É por isso que muitas vezes

De uma amizade surge o amor.

Não é possível dedicar-se a alguém

Com tanto esmero

Que, logo em seguida,

Não se queira arrancar-lhe a dor.

Angela Natel – 20/07/2015

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.674 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: